Pelourinho Macieira de Cambra

Pelourinho manuelino do século XVI, corresponde à concessão do Foral dado por D. Manuel I, em 1514, à Terra de Cambra. Classificado como Imóvel de Interesse Público, localiza-se na Praça de Macieira de Cambra, em frente ao Museu Municipal.

Rio Caima

O rio Caima é o mais importante dos cursos de água do município de Vale de Cambra. Dividindo o concelho em duas partes – Norte e Sul – tem na sua nascente uma imponente queda de água – Frecha da Mizarela – com cerca de 70 metros de altura, que se lança bruscamente de uma cota de 900 metros para uma muito inferior, criando ao longo do seu curso paisagens que merecem visita, destacando as margens do rio cobertas de arvoredo criando belíssimas paisagens fluviais ao longo das quais se alinham velhos moinhos e pontes antigas.

Barragem Eng. Duarte Pacheco

A partir da sua queda de água, o rio Caima corre apertado em duas vertentes até Rôge, local onde foi construída a Barragem Eng.º Duarte Pacheco. Destinada à irrigação dos férteis campos da parte mais baixa do vale, a barragem é um local aprazível, rodeado de verde, onde se pode repousar olhando a quietude das águas deste rio.

Anta da Cerqueira ou Pedra Moura

Em plena Serra da Freita situa-se a freguesia de Arões, onde vestígios de ocupações antigas atestam a presença milenária do Homem. Destacamos a Anta da Cerqueira I ou Pedra Moura I, um dólmen funerário inserido numa necrópole que conta actualmente com oito monumentos dispostos numa importante chã da vertente Este da Serra do Arestal.

Cronologicamente situado em finais do IV milénio A.C. e a primeira metade do III milénio A.C., o monumento localiza-se entre os lugares de Coval/Cerqueira, na fronteira das freguesias de Couto Esteves (Sever do Vouga) e de Arões (Vale de Cambra). Actualmente no território administrativo do município de Sever do Vouga, terá servido durante séculos de marco divisório entre este município e Cambra, conforme o atesta a cruz insculpida na pedra da sua cobertura.

Gravuras Rupestres

Na freguesia de Cepelos, em Gatão, localiza-se um sítio arqueológico com gravuras rupestres. O arqueossítio é constituído por dois afloramentos graníticos e terá obtido a designação de “Riscos” muito provavelmente pelos traços e riscos abertos nas respectivas faces, segundo consta entre o Neo-calcolítico e a Idade do Bronze. As gravuras deste sítio com arte rupestre, enquadráveis na chamada “Arte Atlântica” poderão remeter para um significado simbólico-religioso.

Especial relevo tem também o arqueossítio localizado na freguesia de Rôge, na Sobidade, junto à Aldeia de Trebilhadouro, também um sítio com gravuras rupestres, que se insere igualmente na designada “Arte Atlântica”.

Retábulo-mor da Matriz de Rôge

Este retábulo-mor julga-se que foi construído no decurso da campanha de obras realizadas pelo pároco João Gomes de Abreu, na segunda metade do século XVIII. Insere-se no período tardobarroco e rococó, visível na linguagem ornamental de motivos vegetalistas, volutas e, sobretudo, de concheados assimétricos.

Capela da Nossa Senhora do Desterro e Cruzeiro

Esta capela encontra-se inserida no interior de um parque murado e arborizado. Edificada na segunda metade do século XX, veio substituir uma pequena ermida aí existente e é um exemplar de arquitectura ecléctica. No interior, de uma só nave, destacam-se as imagens da padroeira, Nossa Senhora do Desterro, uma imagem da Santíssima Trindade, ambas setecentistas e uma imagem de Nossa Senhora de Fátima, do mestre Guilherme Thedim. Local de grande romaria, onde afluem inúmeros devotos em especial no dia da sua festividade.

Do seu parque desfruta-se de uma paisagem ímpar, que nos dias límpidos e claros se estende à Ria de Aveiro.

Cruzeiro Paroquial de Rôge

Implantado ao fundo do adro da matriz da freguesia, este cruzeiro foi construído no século XVIII. Exemplar de arquitectura de barroco joanino, é provavelmente o melhor monumento desta tipologia em todo o país.

Santo António de Lisboa

Colocada no centro da cidade, a estátua de Santo António, da autoria do mestre João Fragoso, é uma obra de excelente valor escultórico, que lembra o Padroeiro do Concelho.

É considerada uma das melhores obras sobre Santo António, executadas no século XX.